atmosphere
"Triste está a vida sem saber por onde você anda. Eu até já pensei em te esquecer e esqueci. É tão inútil que mais parece infantilidade. Você sempre retorna para o meu pensamento. Eu deveria ter dito um “olá”, deveria ter sorrido. Está complicado, é tão solitário, doloroso. Preciso ter certeza de que não foi só sonho. Por favor, eu preciso te ver. Meu coração se sente quebrado, incompleto. E quando eu vou dormir, de uma maneira ou de outra você sempre retorna em algum momento da noite. Queria saber como você está, e se ela - se é que tem alguém junto contigo - está te fazendo feliz. Volta.
Em qual botão eu aperto para rebobinar os dias? Não quero mais sentir saudades de te ver. Quero fitar e consertar todas as minhas bobeiras, e modificar o meu jeito de ser, ter coragem e me comunicar. Achei o meu erro. Vamos lá.
Estou aqui agora e já são 2:43. A lembrança dos nossos olhos se encontrando e do seu meio-sorriso está me quebrando. Preciso disso novamente, sentir de novo o que eu senti naquele dia. Como eu fui tola. Perdi um ano inteiro de oportunidades, dias de sol e dias de chuva. Malditas barreiras. Queria poder mudar tudo!
Meus dedos estão congelando, e meu corpo treme. Minha respiração está forte, não consigo parar de chorar. Estou ofegante. Meus soluços estão me incomodando e meus olhos estão começando a pesar já, as lágrimas estão trazendo o sono. Não quero parar de digitar. Sono infernal, vá embora! Preciso expressar o que eu sinto. É impossível parar de escrever. Digito sem parar, tendo as piores e melhores lembranças que tenho.
Sua mão mexendo no cabelo porque está incomodado com o jeito que está, e seus óculos escuros ali, me impedindo de ver os seus olhos castanhos tão bonitos. Te vejo mexer no celular sem parar para olhar o horário e o seu semblante está tenso, você vai chegar atrasado de novo, e outra vez, e mais uma, isso porque perdeu o ônibus propositalmente. Assisto agora eu caminhando pela rua movimentada, apressada e desajeitada, quero e não quero passar por ti, passo na sua frente e evito te olhar, você me acompanha passar. Isso me deixa ainda mais iludida e eu vou parar o curso sorrindo. Passo a tarde toda parecendo uma problemática, autista, dando uma sequência de sorrisos para o nada. Agora observo você encostado na janela do ônibus, sua camisa de gola V é azul, é vermelha, é branca, é preta. Sua jaqueta está aberta e os seus fones estão grudados nos seus ouvidos como sempre, como os meus estão também. Ok, nesse momento você me olha. Eu estou te olhando e por instinto desvio o meu olhar. A janela está aberta e o vento bate nos meus cabelos, finjo não me importar com o lixo que eles estão virando devido à brisa úmida que me ataca. Seus olhos estão distantes através do vidro da janela. Novamente você está me olhando e eu estou de pé, encostada na porta do veículo. De repente minha bolsa cai no chão e seu olhar permanece em mim; minhas bochechas coram.
Perdi o ônibus novamente, não, eu perdi o ônibus certo, o errado, que se dane, você não está nele. Desço na próxima estação e finjo ter ido no médico, ciente de que você me viu indo com o outro ônibus. É óbvio que me acha patética. Aperto meu braço, fingindo ter tirado sangue, tomado soro, qualquer porcaria que me pudesse me tornar uma pessoa menos idiota por estar te seguindo. Outro dia eu pego o ônibus errado, porque deixei o certo passar, o que você estava dentro, e aí pego o próximo torcendo para te ver. Não te vejo, ai que desespero! Apenas te encontro sentado no centro da cidade, esperando seu próximo veículo. Meus batimentos cardíacos quase explodem o meu coração.
Já faz um mês e eu não te vejo. É o aniversário da minha mãe, você aparece. Outro dia é meu aniversário, você também está lá, parecendo um anjo e me olhando antes de entrar no seu próximo ônibus, o que, infelizmente, não pegamos juntos. Está parado, virado para mim e o sinal fecha. Último dia, mais um mês. Agora o meu coração bate lentamente, ousando ignorar o sentimento. E então novamente eu te vejo. Me assusto, me desperto, me apaixono novamente. E todos os dias foram seguidos de paixões e mais paixões. A neve caiu, você quase me abraça, só hesita por não me conhecer ou não hesita e nem sente vontade, me iludo.
Os anjos da noite levam os meus sonhos e você some da minha mente. O que eu faço? Eu morro e me perco em tudo aquilo que é monótono. Me afogo num “não sentir” e fico lá para sempre, nas profundezas do mar pobre de sentimentos. Nós, que morremos afogados em tal oceano, não temos rostos e não temos esperanças, nem fé. Nossas almas estão embriagadas de tanto amor, elas não desejam mais estarem sóbrias e nem muito menos voltar para os nossos corpos. Desgrudam e vão embora. Somos abandonados.
De repente, tudo volta. O amor, o sentir, o gostar. Infelizmente, é tarde. Vai ficar só em lembrança, em memória e nunca mais aparece uma oportunidade de comunicação, de reajuste. A dor vem de acompanhante e fica, é a única que é real, na verdade. O sentimento do presente que traz o passado e que como consequência pode mudar o futuro. Depressão. Depressão. Depressão. Sufoco e agonia. Músicas tristes e felizes que têm o mesmo efeito: Me fazer chorar. As gotas salgadas que rolam pelo meu rosto parecem nunca mais terminar; secam de uma hora para a outra trazendo ainda mais tristeza. Inconformada, incrédula, irrevogavel e eternamente apaixonada por um alguém platônico.
Olá, meu nome é Kauanny."
Pertencendo à Atmosfera dele, dia 10 de Maio de 2014. 

0 notes · reblog · 2 months ago


john christopher depp II young, a perfect guy, a perfect man… <3

so beautiful and perfect john christopher depp II <3
"O amor tem um gosto engraçado. Tá, é cruel, é amargo demais. Eu não entendo o motivo, mas tortura mais do que o necessário e nos faz perder a razão.
Para onde estou indo mesmo? Ao menos queria saber que não é um buraco escuro e frio, onde a solidão mora e massacra os corações inocentes.
Eu adoraria pertencer a ele, o meu anjo. Amaria tê-lo por perto tanto quanto amo agora. No entanto, ele sumiu. Deixou apenas uma lembrança de seus olhos castanhos e seu cabelo coberto por uma touca. A réplica exata da perfeição."
Meu mundo, minha vida, meu anjo.

0 notes · reblog · 1 year ago

"Nosso coração batia como se fosse um só. Seus olhos eram a réplica exata do paraíso, e eu não sabia se eu entrava por aquelas portas tão lindas que o seu olhar me fornecia para viver com ele naquele mundo perfeito, onde você pode mergulhar fundo num oceano escuro e não se afogar.
— Preciso parar de ficar na sua mente. Sinto que isso está ficando doentio demais para você.
Suas mãos quentes envolviam a minha cintura. Se fosse possível e se realmente é bom estar nas nuvens, eu diria que ele era a nuvem ideal. Eu me sentia segura e completamente encantada.
— Você só sai dela quando eu deixar. — Dei-lhe então um pequeno beijo na ponta do seu nariz que estava tão gélido, parecia mais um cubículo de gelo.
— Então você tem que me deixar sair dela. Me apagar de você. Você sabe exatamente que eu não sou real, o que vivemos nos seus pensamentos é apenas ilusão. Você gosta de mim? — O vento cortava a pele, eu tremia, mas ele me esquentava nos seus braços protetores. Sentia-me coberta por duas asas celestiais.
— Não, eu não gosto de você.
— Então por quê insiste em viver esse romance maluco na sua mente?
— O fato de eu estar apaixonada por você explica isso? — Estava convencida disso.
— Explica. Mas não é por mim que você precisa estar apaixonada. É por ele. O homem que te faz sonhar comigo, a minha versão original. É por ele. Consegue entender isso? Tem que falar com ele, conhecer ele, tem que ser dele, e não minha. Eu posso ser quem você quiser que eu seja, me transformar em tudo o que você desejar… Porém, ele pode ser único. Só ele pode te mostrar se ele é o cara certo para você.
Minha consciência era tão teimosa que eu não conseguiria domá-la nem se fosse profissional nisso. O motivo de eu insistir em pensar nele como MEU em sonhos é que se ele não fala comigo na minha vida real, a vida surreal poderia suprir todas as minhas necessidades, especialmente a de ser beijada ou abraçada pelo rapaz que me faz ficar perdida em devaneios.
— Eu só tenho medo de ser rejeitada e ter que te excluir do meu coração. Nunca senti algo tão intenso na minha vida inteira. Pode ser doentio, mas ainda assim é lindo. É amável, é tão bonito e doce quanto um beijo de contos de fadas. — Passei meus dedos roxeados pelo seu rosto e não senti nada, como sempre. Não senti calor e nem maciez. — Eu… — Eu comecei a chorar na frente dele e ele ficou preocupado. Desmoronei como se fosse falecer em dor emocional.
— Você percebe, não é?
O paraíso do olhar dele ainda estava lá, só que estava distante e inacessível.
— Não sinto nada. Está fora do meu alcance. — Lágrimas ardidas começavam a rolar pelas minhas bochechas, queimando o meu rosto de uma forma terrível. A vontade de acordar era gritante, porém a sua voz e o seu abraço eram eloquentes e eu não queria perder aquilo.
— Percebe que é doloroso… Isso corta a sua alma em mil pedaços. Nunca vi um espírito sangrar tanto quanto o seu. É por isso que deve falar com ele e realizar o seu sonho de amor.
— Eu não sinto nada! Não consigo sentir nada e o culpado disso tudo é você! A CULPA É SUA! Não deveria ter me feito perceber que não dá pra ser feliz apenas sonhando… Destruiu tudo! — Estava chorando compulsivamente.
— Não, Kau. A culpada é você. Agora pequena, como a mente de uma garota esperta e esforçada, eu te aconselho a correr atrás da sua felicidade. Talvez aquele homem não seja o certo, mas ao que nós percebemos, sim, ele pode ser e temos quase certeza de que ele também pode estar gostando de você. Não perde mais tempo. E tenha um bom acordar.
Meus olhos se abriram e o dia começou com a sua monotonia, no entanto, eu não vi ele e não foi possível realizar o desejo de minha consciência."
(Pertencendo à Atmosfera dele: SONHO. Sexta feira, dia 26 de Julho de 2013)

0 notes · reblog · 1 year ago

"Eu estava esperando ele como sempre. O frio cortava a pele e a dor que causava era gritante e insuportável. Os meus dedos estavam congelados e eu sentia o ar gélido passar pela minha garganta de um jeito violento. Estava tremendo compulsivamente, os dentes batiam rápido e forte.
Quisera eu pegar o primeiro ônibus que vi chegar, mas não o fiz por não conseguir. Juro que não consigo seguir meu caminho rotineiro se eu não ver ele. É um vício venenoso.
Enfrentei o frio.
Mais pessoas chegavam e ele não chegava… O cara cujo qual fazia meu coração bater feito um bobo e que causava uma sensação agonizante no meu peito. Então, no meio da multidão, bem ao fundo, vi ele chegar. Levantei os pés para confirmar se era ele e sim, eu estava certa. Só que dessa vez eu fiz o que eu prometi a mim mesma: Tentar ignorar a presença dele, para ver se ele me nota, se me percebe. Ok, eu sei que eu já observei isso e todas as vezes que deixo de pegar um ônibus e ele vê isso, ele fica ali também, sem se importar se há lugares vagos no veículo… Ele fica, ele espera, ele me fita de um jeito que me diminui, me faz sentir patética por não conseguir ir falar com ele.
Retomando ao assunto e ao acontecimento de hoje. Bem… O tubo estava lotado, haviam tantas pessoas e ele estava para fora, eu senti que ele não entraria no ônibus, que esperaria o próximo, afinal, até hoje eu imaginava que talvez não tivesse importância para ele… Notei que eu até tenha, porém, posso estar errada. Espero que não. Então ele entrou lá… Eu o olhei e ele me olhou, é, essa coisa toda de olhos se encontrarem. Antes de entrarmos, eu quase morri do coração! Sério! Ele chegou pro lado e ficou me encarando, ali no cantinho dele, e se curvando um pouco… Ah, como ele estava lindo! Estava de gorro hoje como todo mundo. No entanto, ele de gorro supera qualquer pessoa, estava mais bonito do que nunca! No ônibus, quando nossos olhos se encontraram, eu sorri igual uma boba, e logo apaguei o sorriso.
Meu anjo estava ali de pé, e ficava olhando para o lado o tempo todo. Quando ele não estava olhando eu sorria, não conseguia parar de sorrir. Confesso que estou sorrindo até agora. Foi isso…
A impressão que eu tenho é que se eu não tivesse entrado no ônibus, ele não teria entrado também. Esses acontecimentos felizes que causam pensamentos amáveis, fazem com que a alma permaneça em perpétuo condenamento devido ao amor. O amor em demasia. É bom, mesmo que faça sofrer. Tirei minhas conclusões: Estou perdida e incondicionalmente apaixonada por ele."
Pertencendo à Atmosfera dele. Dia 23 de Julho de 2013. 

2 notes · reblog · 1 year ago

"Para qualquer garota que não tenha um gosto igual ao meu, ele poderia parecer horrível, os cabelos desarrumados, e essas coisas fúteis que algumas meninas reparam. No entanto, para mim ele parecia ainda mais anjo do que sempre! Os cabelos estavam tão onduladinhos que ali só faltava uma aureola. Ah, aqueles olhos tão sonolentos! E então ele se espreguiçou, foi bonitinho de ver. Meu olhar o acompanha em cada movimento, e tudo o que eu mais desejo enquanto o observo é ir ao encontro de seus braços e abraçá-lo forte. Fiquei com muita vontade de brincar com os cachinhos que haviam se formado em seu cabelo, sério! Tem dia que eu penso seriamente numa coisa muito patética: Será que ele existe mesmo?
Minha conclusão é apenas um sombrio: Talvez.
Afinal, algumas amigas e amigos meus sabem quem é ele, já o viram e por este motivo é que sei que não estou enlouquecendo de vez. Todavia, eu não consigo cogitar a existência de pessoas tão lindas que me façam bem só por estarem presentes. Meu coração bate forte, de um jeito doloroso e aproveita a oportunidade para trancar minha garganta. O ar não entra e nem sai, por isso eu forço minha respiração um pouco, para continuar ali - morrendo de amores - e olhá-lo como o rotineiro.
Ele passa as suas mãos em seus cabelos tentando os ajeitar, está óbvio que o sono e os cachinhos estão lhe causando um incomodo terrível! Não acaba de outra maneira, meu oxigênio se perde novamente e meus batimentos cardíacos ficam acelerados.
Fecho meus olhos.
Os fones estão no volume máximo.
Com isso, eu imagino como seria se eu pudesse tocar-lhe as mãos, ou o rosto lindo que ele tem. O que eu sentiria se nós fôssemos ao menos amigos, ou companheiros de uma boa conversa que aconteceria diariamente.
O ônibus para na estação, abro meus olhos e fico em pé. Não sei o motivo, e nem se eu estou devaneando em demasia, mas eu sinto seus olhos me acompanhando, e quando eu olho para ele neste momento, nossos olhos se encontram e eu faço aquilo que eu odeio… Cruzo uma linha paralela ao olhar dele e vou embora, fazendo aqueles dois segundos se perderem. Juro por Deus que ele nem repara em mim e essas coisas, mas eu não consigo não gostar dele, é mais forte - muito mais forte - do que eu."
Pertencendo à Atmosfera dele. Dia 19 de Julho de 2013.

1 note · reblog · 1 year ago

credit